Você sabe quanto custa sua hora de trabalho?

quanto_custa_hora_trabalho_Header

Se a resposta para essa pergunta é não, então talvez este artigo possa te ajudar. Após alguns anos trabalhando por conta própria fui obrigado a aprender algumas técnicas de sobrevivência, e uma delas é saber quanto vale minha hora de trabalho.

O método que utilizo é uma fusão de algumas planilhas que estudei ao longo dos anos. Pode parecer um pouco assustador em princípio, mas não se assuste, é bem fácil. Se você é uma pessoa que faz sua planilha de orçamento pessoal vai tirar isso de letra.

Para acompanhar este artigo é importante que você faça o download da planilha que vou utilizar como exemplo.

Baixar planilha

Entendendo a planilha

O mais importante é você entender o conceito de hora de trabalho. Eu entendo da seguinte forma: é saber quanto dinheiro eu preciso ganhar (por hora) para pagar por um determinado custo. Ou seja, é apenas uma relação entre tempo e dinheiro.

Para entender melhor, vamos dar uma olhada no início da planilha.

art_hora_tecnica_valor_hora_xdias

Valor: O custo de um item da planilha.

A cada X meses: Com que frequência você tem que pagar este item? A cada mês? A cada dois meses? A cada 12 meses (1 ano)?

Durante X dias: Quantos dias você vai trabalhar para pagar por este item? Normalmente consideramos 20 dias, que correspondem a 5 dias da semana multiplicados por 4 semanas (1 mês de trabalho).

Horas: Quantas horas por dia eu vou trabalhar para pagar por este item? Normalmente consideramos 8 horas de trabalho por dia.

Total: Aqui é somado quanto você precisa ganhar por hora para pagar pelo seu item.

Para entender melhor

art_hora_tecnica_exemplo_custo_fixo

Tome a imagem acima como exemplo. Ele diz que você precisa ganhar R$7,50 por hora, durante 8 horas de trabalho por dia, durante 20 dias, para poder pagar R$1.200,00 numa frequência de uma vez por mês. Estou considerando que você paga o aluguel todo mês, né? :D 

Compreendendo isso você já não precisa entender mais nada. É só preencher com os valores da sua realidade.

De qualquer forma, acho válido me aprofundar um pouco mais no detalhamento da planilha. Pode ser que você ainda esteja com dúvidas.

Custos pagos pela sua “empresa”

Você não precisa ter ou “ser” necessariamente empresa. Essa é apenas uma forma que escolhi de separar o que é custo pessoal e o que é custo do meu negócio. Não precisa fazer essa separação se não quiser.

Custos fixos

Procure listar aqui tudo que você precisa pagar com frequência. Eu exemplifiquei itens com uma frequência pagamento de no máximo 3 meses.

Custos variáveis

Liste aqui os itens que não são frequentes. Exemplifiquei um valor anual para despesas gerais.

Equipamento

Liste os equipamentos/softwares que você usa para trabalhar e com que frequência você pretende atualizá-los. Note que o item (A cada X meses) possui valores altos, pois não é todo dia que você compra um HD externo, por exemplo. Este HD pode ser algo que você só vai trocar em 5 anos (60 meses).

Custos pessoais (não é a empresa que paga)

Aqui procurei separar os itens que não são pagos pela empresa. Lembre-se, você não precisa separar estes itens. Foi apenas uma forma que eu escolhi para me organizar.

Total geral

Neste exemplo o total é R$54,69. Mas ainda precisamos calcular uma margem de segurança. Essa margem envolve, entre outras coisas, um possível choro do cliente. Acrescente 10% a esse valor e depois arredonde o resultado final.

Como acrescentar seus itens na planilha

art_hora_tecnica_como_inserir_dados

Mole, mole. Clique com o botão direito em um dos números que corresponde à linha da planilha. Em seguida clique em “Inserir”. Ele vai criar uma nova linha acima do número que você clicou.

Pronto, agora é só inserir seus próprios valores e calcular sua hora de trabalho.

Uma opção diferente

O Estúdio Entreoutros disponibilizou um método online que calcula sua hora utilizando um método um pouco diferente, mas que para minha surpresa resultou em um valor muito próximo do meu. A diferença foi de R$1,50.

Vale a pena dar uma olhada. Confira o site http://www.minhahora.entreoutros.com/

Espero que este artigo lhe tenha sido útil. Se tiver dúvidas ou sugestões deixe seu comentário. Ficarei feliz em respondê-lo.

Um abraço e até o próximo post.

Créditos
Imagem da capa por Shutterstock
Walter Mattos é um designer brasileiro apaixonado por criação de marcas e identidades visuais. Em seu blog e canal no Youtube compartilha suas experiências através de dicas, reflexões e tutoriais relacionados a design.

Deixe seu comentário

Os comentários deste blog são moderados, portanto, peço que seja respeitoso com outros usuários e publique apenas conteúdo relacionado ao assunto abordado no post. Comentários que não respeitem estas diretrizes podem ser editados ou deletados.

* Itens de preenchimento obrigatório

62 comentários

  1. Liliane

    Estou agora numa fase inicial, então o seguinte deverei também ter em consideração no valor que cobro por hora a retenção na fonte (impostos sobre o rendimento) e a segurança social? Pois estes valores são retirados sobre o meu rendimento e não podem ser cobrados ao cliente, o cliente paga apenas o IVA. Cá onde vivo os impostos (diretos+indiretos) são cerca de 55% do rendimento.

    Responder
  2. Luiz Uriarte

    Trabalho com Design de Interiores e projetos moveleiros.
    É a primeira vez que acesso o Blog, mas gostei bastante da proposta e mesmo não sendo específico para a área em que trabalho, acredito que tenha muito a que me auxiliar.

    Responder
    • Walter Mattos

      Olá David, tudo bom?
      Muito legal saber que você vem de outro setor. Aliás, tenho muito respeito e admiração pela sua profissão.
      Fico feliz que tenha gostado da planilha. Qualquer dúvida é só falar, ok?
      Um abraço.

      Responder
  3. Adan

    Gostei, não cheguei a ler tudo pois só a imagem 1200/20/8 = R$ hr já consegui o que precisava. Um ótimo ponto de vista para pessoas como eu que está trabalhando mais do que pensando! Valeu!!!!

    Responder
  4. Angelo Marcos

    Boa tarde, Walter!

    Estou intrigado por não ter conhecido a mais tempo essas postagens. Fiquei muito maravilhado com as informações precisas que você mostrou. Estou trabalhando com desenho mecânico e não sei quanto ou como cobrar, por folha ou por hora trabalhada? No aguardo de sua ajuda.abç

    Responder
    • Walter Mattos

      Oi Angelo, tudo bom?
      Muito obrigado, meu caro. Acho que não posso instruí-lo a escolher um caminho. Depende muito da sua própria avaliação, considerando seu momento atual. Tente experimentar os dois e veja com qual você se adapta melhor.
      Um abraço.

      Responder
  5. Débora

    Olá pessoal! Walter, essa é a primeira postagem que estou conhecendo do seu site e espero explorar mais, curti muito! Muito, muito obrigada mesmo! Acho que estás salvando muita gente, como a mim. hehe Estou tentando adaptar a planilha às minhas necessidades e surgiu uma dúvida quanto a um possível quesito “educação”. Com isso quero dizer: e quanto aos cursos e outras habilidades que adquiri ao longo do tempo? Por exemplo, minha faculdade é particular, fiz curso para dominar o Adobe, tenho um bom inglês e investi em fazer o teste de proficiência na língua – TOEFL. Mesmo que eu não use inglês no meu trabalho, faz parte da “minha pessoa profissional”, não é mesmo? Esses pontos entram no valor da minha hora? Não sei se estou viajando, sou novata nisso… Qualquer luz ajuda. Obrigada! ;)

    Responder
    • Walter Mattos

      Oi Débora, muito obrigado. Fico feliz por ter essa sensação.
      Sobre sua dúvida, acho que isso não estaria relacionado a hora do seu trabalho, a não ser que ainda esteja fazendo faculdade e ela ainda seja um custo pra você. Seu conhecimento tem sim muito valor, mas acredito que isso deve ir de acordo com a sua própria percepção. A planilha é apenas uma referência, um parâmetro. Se você achar que precisa cobrar mais pelas suas qualidades específicas, faça o teste. De qualquer maneira, pense que na planilha devem entrar os custos e previsões reais de gastos atuais ou futuros, não passados.
      Espero que ajude.
      Abraço.

      Responder
      • Débora

        Faz muito sentido isso que você disse sobre não considerar gastos passados e acabei finalizando a planilha sem incluir isso mesmo. Fiquei impressionada com o quanto que saber o valor da minha hora está me abrindo o olho para outras práticas profissionais, até por me sentir um pouco mais profissional mesmo. Valeu mesmo! Só fiquei meio triste que os meus orçamentos agora ficaram um pouco mais baratos do que quando eu cobrava sem ter base…Deve ser porque também limitei minhas horas diárias pra dedicar aos freelas quando antes também não tinha noção alguma. :)

        Responder
  6. Ivelise Marcondes

    Olá Walter Mattos. Sigo suas dicas desde quando assisti o primeiro vídeo e gosto muito da técnica e o modo que explica, muito suscinto e claro. Tenho uma dúvida, como ilustradora eu sempre parti de várias ideias e referências pra produzir um definitivo. É possível você fazer um vídeo com aplicações da proporção aurea a partir dos sketches ou de ilustrações conhecidas? Só um exemplo. Muito obrigada pelo compartilhamento de ideias. Até^^

    Responder
  7. guilherme

    ótima planilha!
    Mas se os custos pessoais não são pagos pela empresa eles não deviam sair do somatório do valor da hora? Assim essas despesas pessoais devem ser pagas com o próprio salario e esse deve estar em custos fixos. não é?
    abraços.

    Responder
    • Walter Mattos

      Oi Guilherme,
      Não sou especialista em finanças (rs), mas acredito que isso depende da forma que você trabalha. No meu exemplo, estou considerando que quem utilizará a planilha será um freelancer, então os custos da empresa e da pessoa física se misturam. Mas fique à vontade para alterá-la baseada na sua realidade. Aliás, é o ideal a se fazer.
      Um abraço.

      Responder
  8. Marcelo Kimura

    Primeiramente, parabéns por dividir seu conhecimento e experiência conosco. Você ajuda muita gente, pode ter certeza. Outra coisa, não deveríamos incluir no valor da hora o tempo ocioso? Ou seja, acrescentar uma porcentagem que reflita o tempo em que não entra job. Bom, é só uma sugestão.

    Responder
    • Walter Mattos

      Oi Marcelo, muito obrigado meu caro.
      Não sei se entendi direito a pergunta, mas vamos lá. Quando você diz “tempo ocioso” se refere àquele momento em que você dá uma relaxada entre tarefas, certo? No meu caso, esses minutos não são contabilizados como horas de trabalho, pois sempre que estou trabalhando estipulo um intervalo de horário. Por exemplo: “De 13h até 14h farei rascunhos”. Então, neste período não faço nada a não ser rascunhos. Se eu precisar pausar por 5 minutos, eles não são considerados minutos trabalhados e eu precisarei trabalhar até as 14h05. Sacou?
      Abraço.

      Responder
  9. Arred

    Walter, parabéns pelo trabalho primeiramente…
    Pois tenho uma dúvida, eu fiz o cálculo no site que você indicou, e a minha hora deu em torno de 50 reais, mas como eu aplico isso ao cliente? O cliente vai ficar desconfiado se eu to enrolando para poder receber mais? Ou eu tenho que fazer o trabalho na frente dele? Como funciona!? Obrigado !

    Responder
    • Walter Mattos

      Olá Arred, normalmente o cliente não precisa saber o valor da sua hora. Somente em casos muito específicos.
      Dê uma olhada nos outros comentários que já rolaram aqui no post e verá que o pessoal já desenvolveu bastante sobre isso.
      Um abraço.

      Responder
  10. Tiago Balthazar

    Parabéns por explicar de forma tão simples um ponto que atormente muita gente!
    Sou planejador financeiro e estou produzindo um dos tópicos de um ebook que aborda a aplicação do fluxo de caixa às finanças pessoais, um assunto que é voltado quase 100% às empresas.
    Achei interessante a dica do site minha hora e as explicações que você deu, bem sucintas e sem “firulas”.
    Sem dúvidas, o seu site fará partes das referências para meu ebook, pois acredito que outras pessoas podem ser beneficiadas com o seu conhecimento, principalmente, quem não recebe um holerite todo mês.
    Abraços!

    Responder
    • Walter Mattos

      O valor da hora é uma referência, Itarcio. Não desanime, pois você pode usar o tempo como referência ao invés da hora em si. Se antes você fazia um cartão, por exemplo, em 4 horas, tente fazer em duas. Reduza o número de horas investidas e aos poucos você vai aumentando. É importante que você registre estes dados também. Essa relação entre hora e valor é muito relativa, cada um escolhe a melhor forma de trabalhar com ela.
      Abraço!

      Responder
  11. William Araújo

    Olá WM, Parabéns pelo post, cheguei até aqui após muitas pesquisas sobre o assunto, pois estou me organizando para focar nos meus projetos freela onde pretendo num futuro próximo tocar as coisas por conta. Valeu!

    Responder
  12. Carlos

    Boas Walter, antes demais muitos parabéns pelo seu blog. Sou português, tenho um pequeno estúdio de publicidade e estou realmente aprender com você. Ainda assim, gostaria de te fazer uma pergunta que penso ser pertinente (pelo menos para mim;), e se for uma empresa? O processo não é o mesmo pois não, ou é? Digo isto porque somos 3 colaboradores. Abraço

    Responder
    • Walter Mattos

      Oi Carlos, tudo bom? Antes de mais nada, muito obrigado.

      Acho que se o método for interessante, serve tanto para freelancers como para empresas. Na verdade, meu primeiro contato com esse método foi feito dentro da empresa onde eu trabalhava. A única diferença é que você deve preencher com os custos que a empresa gera. Faça um teste e veja se compensa.
      Um abraço.

      Responder
  13. Arthur

    Walter, primeiro parabéns pelo blog, já estou aprendendo muito!

    Minha dúvida é: e como sabemos quantas horas um projeto nos demandará? Você já diz isso pro cliente ou calcula antes e envia o valor total de horas (preço total)?

    Muito obrigado Walter!

    Responder
    • Walter Mattos

      Olá Arthur, tudo bom?

      O cliente recebe apenas o orçamento. As horas você antecipa com base nas suas experiências anteriores. É normal ter margem de erro, mas se você registrar as horas investidas em cada projeto perceberá um padrão. Com o tempo você começa a controlar suas horas investidas no projeto com base no valor cobrado. (Processo inverso)

      De qualquer forma há outros métodos de cobrança, então sugiro que estude o máximo que puder e veja qual modelo se adequa melhor ao seu estilo de trabalho.

      Espero que ajude. Um abraço.

      Responder
  14. Diogo Rezende

    Meu amigo, obrigado por existir. Você abriu o jogo aqui de coisas que dentro do mercado de Design Gráfico, pelo menos em BH é muito difícil definir (preço).
    A maioria de amigos da área e escritórios sempre me deram a resposta, ”depende do cliente”, quando eu pergunto sobre como cobram pelo projeto. Isso até hoje nunca me ajudou a definir o meu valor. Sempre cobrei de forma generosa e até então fui desanimando muito da profissão e desperdiçando meu talento. Obrigado por reanimar minha carreira.

    Responder
    • Walter Mattos

      Obrigado você por compartilhar sua experiência e pelos comentários, Diogo.

      Não desanima, meu caro. Aconselho que pesquise também sobre “preço com base em valor percebido.”. É um assunto que está em alta e é bem interessante.

      Um abraço.

      Responder
  15. Ronaldo Meneses

    Bem, estava aqui tentando fechar negócio com um studio que me solicitou para fazer uns freela…dai me foi perguntado, qual a sua hora Ronaldo? Puts…eu não sei.
    Dai lembrei do Walter e lembrei que ele tinha esse artigo que mano, te agradeço imensamente, com isso posso determinar um valor e assim possivelmente fechar negócio. A cada post algo diferente que logo logo ajuda alguém. Muito obrigado de verdade.

    Responder
  16. Maria Fernanda

    Agradeço você imensamente sempre que leio um post seu! Você não tem ideia de como está ajudando as pessoas a se profissionalizarem e se desenvolverem na área. Um muito obrigada de coração pela sua disposição e generosidade em compartilhar seus conhecimentos tão caros!! O mundo precisa de pessoas generosas como você!! Beeeijos gratos!!!

    Responder
  17. Marcelo

    Olá Walter!

    Descobri seu site hoje, e estou fascinado pelas informações e textos compartilhados no seu blog, há muito tempo procurava algum texto para me ajudar no calculo das horas trabalhadas, e finalmente encontrei em seu site.

    Sou webdesign freelance, e amo conhecer técnicas e novos estilos de design, tipografia e etc. E a partir de hoje seu site faz parte das minhas referências! Parabéns pelo site e continue sempre assim!!!

    Um abraço,

    Marcelo Quirino

    Responder
  18. Eder Flores

    Walter, caraaaaaaa.

    Tenho só a agradecer pelos seus projetos nossa você tem uma mente brilhante, só pelo fato de compartilhar seus conhecimentos, não é qualquer um, desenvolvendo esses projetos e postando em seu site disponibilizando para seus usuários, isso sim é um ato que tem que ser reconhecido.

    Estava olhando o grid do logotipo do Chrome cara como você faz isso rsrs, olhei seus logos com esses mesmos grids e não tinha entendido mas agora depois que você criou esse tutorial ficou tudo mais claro.

    Parabéns pelo seus projetos…

    Responder
  19. Felipe

    Artigo maravilhoso, Walter. Achei seu site incrível, pretendo frequentar sempre. Parabéns pelo trabalho e pela iniciativa. Estava procurando por isso muito tempo. Obrigado por compartilhar todo esse conteúdo.

    Grande abraço

    Responder
  20. Guilherme

    Buenas, a muito tempo procurei saber qual o valor da minha hora, segui vários tutoriais de como calcular, como avaliar e como cobrar, porém a maioria não se encaixava na forma como eu acho que deve ser, fiz como o Walter falou, juntei ideias de um, ideias de outro mas ainda sentia pobre a forma como calcular.
    Conversando com o Walter e vendo a planilha desenvolvida por ele, foi como uma luva, fiz as adaptações que ficavam boas para mim, organizei do meu jeito e Voilà, minha hora técnica ficou perfeita, não tem o que mudar a tabela ajudou muito e ficou muito mais claro cada gasto que tenho e quanto devo cobrar para suprir os meus gastos.
    Ótimo post Walter e espero que ajude muitos como me ajudou.

    Responder