Como criar um Cinemagraph no Photoshop

wm_Tutorial_Cinemagraph_Photoshop_Final_640_B

Caso você não saiba do que se trata, Cinemagraphs são imagens aparentemente estáticas, mas com pequenas partes dessa imagem em movimentos repetidos e em looping infinito. Normalmente essa imagem animada é produzida no formato GIF com tamanho e resolução pequenos o suficiente para carregar essa imagem na internet, mas ela também pode ser salva em diferentes formatos de vídeo.

O efeito foi criado ou, pelo menos, nomeado em 2011 pelos fotógrafos Kevin Burg e Jamie Beck. Você pode conferir um pouco do trabalho deles abaixo ou visitar o site cinemagraphs.com.

emily-gif-final-500px Ecco-Domani-Summer-Cinemagraph-500px static1_500px cartier-cineamgraph-500px

A ideia, como você pode ver, é que saibamos exatamente onde começa e onde termina o vídeo. Apesar de existirem poucos tutoriais sobre isso na internet, principalmente em português, referência para aprender é o que não falta.

Pode parecer um pouco complicado, em princípio, mas o que importa é você entender a lógica por trás do efeito. O que irei mostrar é apenas uma das várias formas possíveis de criar um Cinemagraph.

Então vamos lá.

Escolhendo o tipo de vídeo

Primeiro, não se engane achando que isso é uma foto de uma mulher em cima de um fundo separado. Na verdade tudo faz parte de uma única sequência de vídeo, que eu baixei gratuitamente no site Pexels.

Faça o download do vídeo

Não escolhi esse vídeo por acaso. Um dos motivos é o fato de ele ter sido gravado com uma câmera fixa, provavelmente utilizando um tripé.

E como uma a principal característica do Cinemagraph é o looping, utilizando uma câmera fixa eu consigo fazer com que o último frame do vídeo seja exatamente igual ao primeiro sem que haja qualquer tipo de desalinhamento entre estes frames. Somente assim eu consigo criar o looping.

wm_Tutorial_Cinemagraph_Photoshop_Imagens_Looping_03_640

O problema é justamente o conteúdo que entra no meio.

wm_Tutorial_Cinemagraph_Photoshop_Imagens_Looping_04_640

Por isso é importante que o conteúdo do vídeo possua algum tipo de padrão de comportamento previsível ou repetição de movimento.

Repara no mar, no balanço da árvore e nos reflexos dos carros piscando lá no fundo.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Repara_03

Eles têm um comportamento totalmente previsível e constante. Então, o único desafio agora é fazer com que o observador não perceba a transição entre os segundos finais do vídeo e o último frame – que no caso, como eu falei, deve ser igual ao primeiro frame.

wm_Tutorial_Cinemagraph_Photoshop_Imagens_Looping_06_640

Mas entender na prática é muito mais fácil que na teoria, então vamos para o Photoshop.

Editando o vídeo no Photoshop

No Photoshop eu abro o vídeo normalmente, como se fosse abrir uma imagem.

Automaticamente ele carrega uma aba de timeline, que se eu não me engano está disponível desde a versão CS6 do Photoshop.

wm_Tutorial_Cinemagraph_Photoshop_Imagens_Timeline

Caso ela não esteja aparecendo para você basta ir em “Window > Timeline”.

Aqui eu vou procurar o ponto onde eu quero congelar a minha imagem. E eu decidi ficar aqui, pouco antes da mulher abaixar a câmera.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Abaixar_Camera

Agora eu levo o mouse para o início do vídeo, até ele exibir o seguinte símbolo:

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Simbolo_Trim

Depois mantenho o mouse pressionado e arrasto até ele grudar automaticamente no ponto que eu escolhi como início do Cinemagraph.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Trim

O vídeo agora começa a partir deste ponto, mas tecnicamente eu apenas aparei o vídeo.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Inicio_Video

Eu consigo recuperar o conteúdo escondido caso queira, o que será bastante útil pro efeito que eu quero criar. Você já vai entender o porquê.

Eu também poderia encurtar o final do vídeo, mas como ele ficou com menos de 5 segundos para mim está Ok. Isso porque quanto mais curto for um Cinemagraph melhor, já que teoricamente o objetivo dele é ser carregado na web.

E como falei, para criar o looping eu preciso que o último frame do Cinemagraph seja exatamente o mesmo frame do primeiro ponto do Cinemagraph.

Para fazer isso basta eu vir nas camadas, duplicar a camada do vídeo com o atalho “Ctrl + J” e, aqui na timeline, eu arrasto o início do vídeo de baixo para o final do vídeo de cima.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Duplicar_Camada

Até aqui tá fácil de entender, né?

O problema é que agora eu tenho o dobro do tempo de vídeo que eu planejei. E resolver isso também é fácil.

Primeiro eu clico no início do vídeo de baixo e recupero uma parte do que estava oculta. Não precisa ser muita coisa, apenas o suficiente pra gente ter uma parte do vídeo de cima sobrepondo o vídeo de baixo.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Recuperar

Depois disso eu encurto o final do vídeo de baixo até ele terminar no mesmo ponto que o vídeo de cima.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Esconder

O cenário que temos agora é esse:

wm_Tutorial_Cinemagraph_Photoshop_Imagens_AB_00A_640

Dois vídeos sobrepostos nas camadas, ambos com 100% de opacidade e com o último frame do vídeo de baixo sendo exatamente igual ao primeiro frame do vídeo de cima. Ou seja, por enquanto o vídeo de baixo não é exibido em momento algum, pois fica escondido pelo vídeo de cima.

Agora digamos que eu tenha dois pontos, A e B, que fazem parte apenas do vídeo de cima.

wm_Tutorial_Cinemagraph_Photoshop_Imagens_AB_02_640

Caso eu tenha o ponto A do vídeo com 100% de opacidade e o ponto B do vídeo com 0% de opacidade, o que eu tenho é uma transição de opacidade, ou um “fade out”, entre o vídeo de cima e o de baixo, correto?

Então o que nós veríamos com as camadas sobrepostas seria uma transição suave entre os dois vídeos, frame a frame.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Fade

A mulher nesse momento pouco importa na verdade, mesmo porque minha preocupação é apenas a transição entre os elementos que vão compor a seção animada do meu Cinemagraph.

Trabalhando com keyframes no Photoshop

Para criar esse “fade out” eu venho na timeline, abro o dropdown do vídeo de cima e aqui você nota que eu tenho algumas opções, como posição, opacidade e estilo.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Dropdown

O que queremos é trabalhar com a opacidade. Então agora eu escolho um ponto próximo do início do vídeo de baixo e clico nesse ícone de relógio na opção “Opacity” para marcar o primeiro “keyframe” do efeito de opacidade.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Keyframe_01b

Esse “keyframe” é justamente uma marcação das configurações de opacidade dessa camada nesse momento exato do vídeo. E nesse momento exato eu tenho “100%” de opacidade.

Agora eu quero que o vídeo termine com 0% de opacidade para fazer a transição. Então, eu vou até um ponto próximo final do vídeo e marco um segundo “keyframe”.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Keyframe_02

Só que dessa vez altero a opacidade desse ponto do vídeo para “0%”.

Para testar o vídeo basta clicar no ícone de engrenagem da timeline e habilitar a opção “Loop Playback” para ativar o loop infinito.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Play

É hora de analisar o resultado.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Play_03

Repara que enquanto algumas ondas vão sumindo outras já começam a aparecer, e isso se deve justamente a transição de um vídeo para o outro. O balanço da árvore também ficou bem realista. Essa que poderia ter sido a parte mais difícil por estar em primeiro plano acabou funcionando bem. E, por último, os reflexos dos reflexos dos carros lá no fundo, que são praticamente o detalhe da animação.

É claro que isso também tem influência no fato de todos serem pontos distantes e sem foco, então isso ajuda a conseguir uma transição suave, mas o próprio fato de serem 3 pontos diferentes com looping já é algo bastante interessante e até difícil de conseguir.

Congelando a imagem

Agora só falta é congelar a mulher, e essa é a parte fácil.

Primeiro eu vou para o início da timeline, seleciono o grupo superior de camadas e utilizar o atalho “Alt + Shift + Ctrl + E” para criar uma espécie de “print”, ou cópia, do que estiver visível nesse documento.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Imagem

Esse “print” é salvo em uma nova camada, que eu renomearei como “imagem” apenas para não criar confusão.

Ela é apenas uma imagem estática, ok? Não representa nenhum movimento na minha linha de tempo. Agora eu preciso criar uma máscara nessa imagem para deixar visíveis apenas as seções onde quero que o movimento aconteça.

Então eu crio a máscara e preencho de preto as áreas dessa imagem estática que eu quero esconder. Mas para ter um pouco mais de controle eu posso clicar na barra invertida ou contra-barra “\” do teclado e, assim, eu consigo visualizar melhor a área da máscara que eu estiver preenchendo.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Contrabarra

E para testar se está tudo Ok eu posso clicar em “Play” novamente ou simplesmente clicar na “Barra de Espaço” do teclado. Também funciona.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Braco_Aparecendo

E aí você nota que eu acabei pintando uma área onde o braço da mulher aparece no vídeo de baixo. Então é só voltar para a máscara e pintar de branco onde eu quero recuperar a parte estática da imagem.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Pintando_Branco

Depois disso basta clicar na barra invertida novamente para voltar para o modo normal e testar o vídeo uma última vez para conferir se deu tudo certo.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Teste_Final

E pronto, tudo funcionando perfeitamente.

Olhando de primeira você pode ter a impressão de estar olhando uma foto, mas prestando um pouco mais de atenção você repara nos movimentos da imagem.

Legal, né?

Exportando o GIF

Bom, agora é só exportar o GIF.

Vou usar o atalho “Ctrl + Alt + Shift + S” para abrir a janela de exportação e, aqui, o objetivo é reduzir o tamanho do arquivo o máximo possível. Lembrando que a ideia é carregar essa imagem na internet.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Export

Começo reduzindo bastante o tamanho da imagem. Nesse caso acho que “600px” é o suficiente.

E claro, nas opções de exportação seleciono a opção “GIF”.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Adaptive_Pattern

Nas opções seguintes o ideal é que você faça testes até encontrar o máximo de qualidade com o mínimo de tamanho de arquivo. Nesse caso, acho que a opção “Adaptive” junto com “Pattern” foi a combinação mais satisfatória.

Por último, não podemos esquecer de manter ativada a opção “Forever” nas opções de looping. Caso contrário a animação do GIF tocaria uma única vez.

Cinemagraph_Photoshop_19_Transcricao_Forever

Agora é só salvar o GIF e testar no browser para ver como ficou a animação.

Esse é o resultado:

wm_Tutorial_Cinemagraph_Photoshop_Final_640_B

Encerrando

É isso.

Espero que você tenha gostado e, principalmente, que tenha descoberto algo novo ou útil para você.

Não sei se você lembra, mas em 2012 foi lançado um filme chamado Looper, no qual o pôster era exatamente um GIF em looping.

official

Desde aquela época desconfiei que esta ideia poderia ter sido inspirada no boom que o Cinemagraph teve em 2011 – este teria sido o primeiro pôster oficial utilizando GIF animado, segundo o site Flavorwire. Fica aí uma dica para um tipo de projeto onde você pode aplicar essa técnica.

Bom, e caso ainda não conheça meu trabalho saiba que todos os vídeos são legendados e possuem versões transcritas aqui no site, waltermattos.com, onde você também encontra outras dicas, reflexões e tutoriais sobre design.

Valeu pessoal. Um abraço e até a próxima.

Créditos

Cinemagraphs apresentados na introdução: Cinemagraphs.com

Vídeo de mulher tirando foto: Pexels

Pôster filme Looper: Flavorwire

Walter Mattos é um designer brasileiro apaixonado por criação de marcas e identidades visuais. Em seu blog e canal no Youtube compartilha suas experiências através de dicas, reflexões e tutoriais relacionados a design.

Deixe seu comentário

Os comentários deste blog são moderados, portanto, peço que seja respeitoso com outros usuários e publique apenas conteúdo relacionado ao assunto abordado no post. Comentários que não respeitem estas diretrizes podem ser editados ou deletados.

* Itens de preenchimento obrigatório

21 comentários

  1. FAbi

    OLa tenho o cs6 mas não abre a mesma timeline ele só aceita o comando importar e então a tineline fica dívida em frames, e não como demonstra no vídeo ! Pode me ajudar!?

    Responder
  2. Samuel Maciel Costa

    Adorei seus materiais em todos os sentidos.
    Possui um boa comunicação, levanta boas discussões e possui um ótima dinâmica. Sou recém formado em publicidade e estou amando relembrar e descobrir novos pontos de vista e curiosidades em seus materiais. Parabéns.

    Responder
  3. Isabelle Jacob

    Olá!
    Achei essa técnica muito legal e resolvi fazer até porque o vídeo é bem explicativo. Porém, quando eu vou passar para o meu photoshop CC.2015.5, mesmo eu conseguindo abrir o vídeo, fica diferente do que você mostrou quando principalmente duplica a camada. Enfim, não consegui fazer.

    Responder
  4. Gabriel Moreth

    Mais uma vez parabéns brother! Importantíssimo você trazer pro português um tutorial tão importante e legal como esse! Além do efeito ser genial, pode ser inspirador na criação de mockups animados, uma tendência que tem crescido bastante! Abração!

    Responder
    • Walter Mattos

      Fala Moreth, tudo bom cara?
      Pois é, realmente é algo que abre bastante a mente. Confesso que em princípio achei que seria algo que foge um pouco da minha proposta com o blog, mas pensei justamente nas possibilidades que esse efeito abre. Valeu mesmo, cara. Abração.

      Responder